Sagman, Bennet, Robbins, Oppenheim e Taft. Sagman, Bennet, Robbins, Oppenheim e Taft…

O primeiro episódio com a Elaine. Ela já surge como ex-namorada do Jerry, mas eles estão num período de adaptação. Eles vão a um aniversário de uma amiga da Elaine e lá têm que lidar pela primeira vez com um deles paquerando outra pessoa, o que gera uma tensão desagradável.

Um dos fatores diferenciais de Seinfeld é a opção por não ter “momentos tocantes”. Até as séries mais nonsense tem momentos amáveis e/ou tristes, que ganham o telespectador pelo coração, não (só) pelas piadas. Veja Simpsons com o Homer sempre tentando reconquistar o amor da mulher e dos filhos, por exemplo. Friends tem fortes momentos de emoção tanto entre casais quanto entre as relações de confiança entre os amigos. How I Met Your Mother, The Office e tantas outras são exemplos de comédias com momentos emotivos.  E não são poucas, porque esse é o “padrão correto”. Em Seinfeld, você pode contar nas mãos esses momentos emotivos. Aliás, numa mão só, eu te asseguro. Uma decisão que deixou isso acertado é que Jerry e Elaine não namoram, pronto e acabou. E que são extremamente confortáveis um com a amizade do outro, especialmente para falarem de outras paqueras. A série nunca cai naquele clichê onde um ajuda o outro a conquistar alguém e se vê apaixonado pelo amigo no fim das contas. O telespectador nunca é levado a crer nisso – nem ao menos a torcer – porque não há nem tensão sexual rolando entre eles. Só consigo lembrar de outra série com essa característica “sem coração”: It’s Always Sunny In Philadelphia - que é apelidada de “Seinfeld se tomasse crack”. Sabem de mais alguma?

A gente ainda tem um Kramer discreto, participando apenas de uma cena, sem uma trama própria dele. É mais ou menos a mesma coisa com o George, mas esse pelo menos tem uma participação na história principal, quando inclusive presenciamos o momentos de criação da sua maior mentira: Art Vandelay, sendo assim um episódio importante pro personagem também.

Notas

  • O ator que faz o pai do Jerry vai mudar depois. Larry David e Jerry Seinfeld (criadores) sentiram que precisavam de algum ator mais “enfezado” pro papel.
  • Rich Little era um comediante que fazia imitações. Era conhecido por ser o homem de um milhão de vozes.