Eu queria saber como eu teria visto o primeiro episódio de Seinfeld no dia em que ele foi lançado, lá em 1989. Eu teria gostado? Ou melhor: eu teria gostado do mesmo jeito que eu gostei quando eu vi pela primeira vez, já depois que a série tinha terminado? Eu sei que muita gente na época não gostou. Quer dizer, hoje a gente acha muito legal ver dois caras discutindo sobre “lacunas da sociedade” na televisão, mas será que isso não é só porque Seinfeld nos fez gostar? O que eu sei é que Seinfeld me influenciou muito. Me fez começar a olhar as coisas que a maioria – quem não acompanha a série, talvez – nunca olha.

Nesse primeiro episódio, uma amiga que Jerry conheceu em Michigan, Laura, tem que vir a Nova York pra um seminário, e talvez possa encontra-lo. “Tem que vir” e “talvez”. Jerry e George discutem se isso quer dizer alguma coisa sacana, ou é só amizade. Quando eles vão busca-la no aeroporto, George dá dicas de como interpretar o cumprimento. No começo do episódio, os dois discutem sobre o primeiro botão da camisa. Na lavanderia, eles falam sobre um cara que está com uma cesta cheia de produtos de limpeza e Jerry diz que uma coisa não pode ser “molhada demais”. São essas as “lacunas da sociedade”, os assuntos sobre os quais ninguém discutia. E seria essa a idéia da série: falar dessas coisas.

Revendo o episódio hoje, já sabendo de todas as coisas que ficam diferentes – a Elaine entra, o cachorro do Kramer sai etc – devo dizer que as coisas ficaram muito melhores. Acho George e Kramer um pouco forçados em alguns momentos desse episódio. Normal, eles ainda estavam desenvolvendo os personagens. Discutem-se muitas coisas interessantes, certamente. Algumas frases memoráveis, como “não acredito que você tá trazendo um colchão extra. Você devia trazer um cara extra também”.

E é por isso que eu pergunto: o Piloto está entre os melhores episódios da série? Você sinceramente acha que seria uma das pessoas que enxergaram o potencial da série, lá naquela época? Pense bem, é uma pergunta maluca, que envolve viagens no tempo. Sou eu sendo influenciado por Lost.