Aposto que até Moisés cutucava o nariz. Todos aqueles anos no deserto, aquele ar seco…

Não considero The Pick um episódio para ficar entre os melhores, mas considero memorável por ter plots muito marcantes com os quatro personagens. Talvez até esse seja o motivo para eu considerar o episódio excessivo e sem foco.

O título do episódio faz referência a um simples ato que Jerry faz enquanto no trânsito – cutucar o nariz. Sua “namorada”, uma modelo da Calvin Klein, está coincidentemente em um táxi ao lado e presencia o ato (que Jerry alega ter sido apenas… “por fora”). O que é curioso na história é que há uma certa inversão de papéis: Jerry, que é o tipo de pessoa que termina relacionamentos por motivos tão banais, agora se pergunta o que há de tão grave e errado no ato em que cometeu. Nada, Jerry, nada. Mas aposto que sua ação seria a mesma, caso se desse o inverso.

Os outros três personagens têm papéis marcantes. George se lamenta e questiona seus relacionamentos amorosos; lamúrias sem fim a respeito do término do namoro com Susan no início do episódio definem para o espectador o jeito Costanza de ser. Isso e, é claro, sua instabilidade crônica e incapacidade para tomar decisões. Típico George.

Kramer tem seu momento de fama – também muito típico do personagem – quando vira modelo “underwear” da Calvin Klein, logo após de ter ido ao escritório da C.K. argumentar sobre “The Ocean”, o perfume com cheiro de praia que havia sido sugerido por ele à marca. Mesmo sabendo que possivelmente poderia ganhar royalties do produto, Kramer aceitou o papel de modelo. Típico Kramer.

Quanto a Elaine, creio que seja ela a dona da parte mais duradoura do episódio:  ao resolver mandar cartões de Natal personalizados com sua foto (tirada por Kramer), um botão de sua blusa fica aberto e deixa um mamilo aparecendo. Essa é a história que permeia quase todo o episódio – que pra mim deveria se chamar, ao invés de The PickThe Nip.