O que há de errado com esta comunidade? O que leva vocês a esse comportamento? É a umidade? É a muzak? São os tênis brancos?

Não é apenas a completa ausência de George e Kramer que fazem deste um episódio atípico da série, mas principalmente o clima sufocante de pesadelo que Jerry e Elaine enfrentam na Flórida, em viagem com o propósito duplo de participar de uma homenagem ao pai de Jerry e curtir um mergulho.

Evidente que os planos azedam rápido, principalmente quando as convenções sociais dos velhinhos da área - um lugar talvez ainda mais alucinado que toda a cidade de Nova York – colocam a dupla em apuros de um patetismo épico, mais bem representado pela tal caneta do título.

Jerry nota a caneta do vizinho (“é uma caneta de astronauta, escreve de ponta cabeça”), que a oferece a Jerry sem que ele a tenha pedido ou ao menos elogiado. Um insiste em dar, o outro insiste em não aceitar. Jerry finalmente aceita, para desespero de sua mãe, que sabe o que aquilo significa: o vizinho vai contar vantagem no bairro inteiro sobre como o filho do Sr. Seinfeld praticamente implorou por sua caneta de astronauta. Diante dos personagens do lugar, essa perspectiva realmente nos deixa aterrorizados pelos Seinfeld. Mais tarde, Jerry devolveria a caneta, num gesto que agrava a crise diplomática.

As negociações disfuncionais se repetem quando Jerry e Elaine insistem em dormir em locais pouco adequados para que os pais de Jerry, que se oferecem para ir domir num hotel, não se desloquem. Elaine se sai pior e dá um mau jeito nas costas, alongando a estadia e arruinando o passeio (que Jerry leva adiante e, claro, se dá mal também).

Toda essas angústias convergem para o dia da tal homenagem para o pai de Jerry. Elaine, completamente chapada com um relaxante muscular para aliviar a dor nas costas, fica transtornada ao conhecer Stella, a esposa do grande tio Leo (sua 2ª aparição; viraria figura fácil na série), e começa a gritar “STELLAAAAAA!”, numa hilária referência a “Um Bonde Chamado Desejo”. Na hora da homenagem, o rancor em torno da tal caneta ressurge, num daqueles raros momentos em que Jerry, mesmo em situação desfavorável (o que é frequente na série), se vê completamente incapaz de reagir verbalmente à altura. Sua solução, de contar a piada do amendoim no avião, é rechaçada sem misericórdia pela platéia, que não voa de classe econômica e recusa a premissa logo de cara.

Apesar de poucos one-liners dignos de nota, é um episódio de bons momentos. Mas convenhamos: a ausência de Kramer e, sobretudo, de George pesa demais. Diz a lenda que Jason Alexander disse pro Larry David que ia se demitir se fosse excluído de outro episódio desse jeito. Sabia tudo.