“Everybody’s talkin’ at me / Can’t hear a word they’re sayin’ / Just drivin’ around in Jon Voight’s car…”

Uma das coisas que eu mais gosto em Seinfeld é a forma como tudo dentro de um episódio é conectado. Pra um programa sobre nada, cínico e niilista, é surpreendente o tanto que a série demonstra de forma tão clara como o karma atua na vida desses personagens.

Neste episódio, George desiste de comprar um Volvo quando o vendedor diz que tem um LeBaron com um pouco mais de quilometragem, mas que pertencia a Jon Voight. Obviamente, ele compra o carro. A ideia pode parecer idiota e algo que só Costanza faria, mas é real: o carro usado nas filmagens é de um dos roteiristas da série, que o comprou achando que ele de fato havia pertencido ao pai da Angelina Jolie.

Enquanto isso, Kramer está preocupado com a sapataria de um casal de simpáticos velhinhos, que tem cada vez menos clientes e pode acabar fechando. Para ajudá-los, ele leva os tênis de Jerry para serem limpos lá. Elaine ganha um concurso de rádio para que seu chefe possa segurar a corda do balão do Pica-Pau na parada de Ação de Graças que acontece todo ano em Nova Iorque. Jerry recebe uma ligação de seu dentista (interpretado por Bryan Cranston, o Walter White de Breaking Bad) perguntando os telefones de Elaine, George e Kramer para convidá-los para uma festa de pré-Ação de Graças, mas ele mesmo não recebe um convite.

Pouco a pouco as histórias vão se entrelaçando: como Jerry fica sem seus tênis, tem de usar um par de botas de cowboy. Enquanto dá uma volta no carro de George, ele descobre um lápis mordido com o nome de John Voight, com h. George se irrita e manda ele sair do carro. Dois caras ameaçadores tiram sarro das botas de Seinfeld, que tenta correr, mas escorrega e acaba caindo e lascando um dente. Elaine ganha o concurso para o chefe, mas tem que pegar o ingresso para a parada num restaurante com música ao vivo muito alta. Kramer leva os tênis para a loja dos velhinhos, mas seu nariz começa a sangrar, ele olha pra cima e percebe que a loja está cheia de fios de energia expostos no teto.

Os reparos na rede elétrica da sapataria sairiam muito caro e os velhinhos resolvem fechar a loja. Com raiva de Kramer, eles vão embora com os tênis de Jerry, que enquanto isso está preocupado com seu dente, mas nenhum dentista está disponível um dia antes do feriado de Ação de Graças. Ainda em dúvida se havia sido convidado ou não, ele resolve ir na festa mesmo assim, já que com certeza ele encontraria algum dentista por lá. Na saída da sapataria, Kramer encontra Jon Voight (interpretado por ele mesmo), que lhe dá uma mordida no braço quando ele tenta perguntar sobre o carro. Ele e George resolvem então levar o lápis até a festa e pedir para algum dentista comparar as marcas de mordida com as do braço de Kramer.

Elaine chega na festa meio surda trazendo de presente para o anfitrião, por algum motivo que eu até agora não entendi, uma réplica do Empire State Building. O dentista - em quem ela estava interessada - a convida para sair, mas ela não entende e diz recusa a oferta. George finalmente descobre quem é John Voight: um colega do Mr. White (esqueci o nome do personagem), não o ator. Enquanto é examinado por um dentista, Seinfeld deixa cair a tal réplica do prédio pela janela e ela fura o balão do Pica-Pau.

Como sempre, tudo se encaixa de forma desastrosa no final, mas o importante é que eles não aprendem absolutamente nada com as consequencias das suas ações. E é isso o que faz a gente amar tanto esses personagens: imagina um final de episódio com George Costanza refletindo sobre o que aconteceu e tornando-se uma pessoa melhor… ia ser simplesmente detestável.

P.S.: “The Mom and Pop Store” tem pelo menos três referências a “Perdidos na noite” (estrelado por Jon Voight e Dustin Hoffman): as botas de cowboy de Jerry, George cantando a música tema do filme e o final do episódio, que parodia o final do filme.