Quem você quer enganar? Vem ao meu apartamento com sua mesa e seus óleos e eu não devo esperar nada? Você é uma massagista sacana!

Assisto Seinfeld há bom tempo e me amarro nessa série do barulho, mas nunca consegui fazer uma lista de melhores episódios, sou péssimo com isso. Provavelmente eu reconheça um ou outro que não me agrade ou que tenha deixado a desejar em algum quesito. Bom, o curioso é que eu tenho uma lista (mental) de episódios medianos. Eu assisto e dou o veredicto: não é bom nem ruim. É bem o caso do The Masseuse: ele não figura em nenhuma lista de melhores episódios, porém, é cheio de situações tipicamente seinfeldianas, com cenas memoráveis e boas atuações. Posso dizer sem medo que é um dos melhores episódios medianos da série.

A cena inicial é com Elaine e Jerry discutindo no telefone qual a última vez que Jerry vomitou – cena essa que pra mim é apenas um gancho maroto pro The Dinner Party.

O desenrolar de The Masseuse se dá mesmo em três tramas muito bem amarradas: Jerry namora Jodi uma massagista, e vive na fissura de receber uma massagem dela, que por sua vez se recusa. Elaine parece ter encontrado o cara perfeito exceto por ele ser homônimo de Joel Rifkin, um famoso serial killer de Nova York. E George em mais uma paranóia delirante tenta de todas as maneiras fazer com que Jodi goste dele, o que só aumenta a repulsa pelo nosso amigo “espirituoso”.

Kramer (meu personagem favorito da série) não protagoniza nenhuma das tramas desse episódio, mas nem precisa, uma vez que ele interfere de maneira decisiva em duas delas. Logo de cara ele é cliente de massagem de Jodi, o que deixa Jerry muito puto. Essa situação gera uma das melhrores cenas: Kramer descrevendo como ela faz a massagem até Jerry o derrubar do sofá, por pouco eles não saem na mão. Ri demais. E depois, na trama de Elaine quando ele é convidado para ir assistir o jogo de basebal com o casal, chega atrasado e sem nenhum documento, o que faz com que o locutor do estádio fale em alto e bom som “JOEL RIFKIN COMPAREÇA AO ESCRITÓRIO DO ESTÁDIO. JOEL RIFKIN, TELEFONE”. Outro excelente momento.

Uma curiosidade que envolve o episódio, é que quando Elaine decide sugerir que Joel mude de nome, ela esta folheando uma revista da Liga Nacional de Football, dentre os nomes ela cita o nome do O.J Simpson. Quando eu assisti pela primeira vez, achei que fosse uma referência proposital, nem tinha me ligado na data de exibição e da condenação do O.J. Mas também não sei muito a respeito.

No final, Elaine deve ter terminado com o Joel, Costanza ficou apaixonado pela namorada do amigo, alegando ser ela a mulher que mais o odiou na vida. Jerry terminou com Jodi, e Kramer que não tinha nada a ver com isso ficou sem massagista.