Gostava mais de vocês quando não eram um casal.

The Deal é daqueles episódios peculiares. Não é fantástico, mas mostra um Seinfeld com personagens bem definidos e com histórias paralelas bem cruzadas.

O episódio gira em torno de algo que nunca acontece na série: tensão sexual entre Jerry e Elaine. No apartamento de Jerry, os dois no sofá, vendo TV, decidem que seria bom se pudessem fazer sexo criando algumas regras para que a amizade não seja afetada: não ligar no dia seguinte, passar a noite juntos é opcional etc. O plano, que parece funcionar muito bem no início, acaba sendo afetado quando Elaine se chateia por Jerry não passar a noite na casa dela. Embora ela diga estar bem com isso, fica claro que ela não assimila as regras tão bem assim.

A história que se desenvolve paralelamente é o aniversário de Elaine e a dificuldade que Jerry tem para encontrar um presente. Se Jerry já é uma pessoa distante sem que esteja em um “relacionamento”, a situação piora com a nova condição: como comprar um presente sem que Elaine interprete de forma errada, sem que veja nas entrelinhas algo que, na verdade, não existe?

Embora a história principal seja o revival de Elaine e Jerry, a história paralela, que é a compra do presente de aniversário, é a que dá toda a graça. O episódio apresenta um Jerry completamente alheio, não sabendo o que comprar para uma ex-namorada e atual amiga íntima (e resolve presenteá-la com dinheiro, tal como um parente distante faria), mas mostra um Kramer mais perceptivo ao presentear Elaine justamente com o que ela havia mencionado: um banco. Sim, um banco, como em um ponto de ônibus (créditos para George Costanza). A graça é que, por ter acertado na escolha do presente, Kramer acaba passando Jerry para trás, deixando claro que ele não é um modelo de homem que Elaine deveria escolher para um relacionamento.

Acho The Deal um episódio interessantíssimo para analisar Elaine e seu comportamento. Muita gente vê Elaine como um bom modelo liberal de mulher na TV – tem emprego estável, sempre tem namorados sem se envolver demais, não depende de figuras masculinas -, mas nesse episódio o que se vê é o estereótipo padrão feminino: ela não consegue sustentar o acordo, não consegue separar sexo e compromisso.

Por fim, George não tem grande participação, embora se encaixe muito bem tanto no small talk com Jerry no Monk’s, quanto na hora da tentativa de compra do presente fazendo suas piadinhas. Kramer, ainda com pequenas aparições, também não tem trama própria, mas consegue um timing perfeito com o “casal”.